Blogspot Siga-me no Twitter FanPage no Facebook

Colunistas  Tiago Almeida

voltar

Beleza & saúde

Detalhes sobre o colunista

Data: 16/03/2005

Título: A relação entre prisão de ventre e a saúde

Você evacua todos os dias? Vive irritado (a), desanimado (a) e seu abdômen distende? Gostaria de realizar uma reeducação alimentar e iniciar atividade física? Então, chegou a hora de pensar seriamente em cuidar do seu intestino.

Como nos alimentamos em média 3 vezes ao dia, deveríamos evacuar de 2 a 3 vezes ao dia, de preferência após cada refeição, como fazem os bebês, que ao mamar em seguida evacuam, isso devido ao reflexo gastrocólico.

Quando não conseguimos manter um hábito intestinal regular chamamos de constipação ou prisão de ventre. É uma constante no consultório pacientes com queixa de prisão de ventre, gases e distensão abdominal. Muitos destes sintomas vêm associados a: cansaço, desânimo, mau-humor, corpo pesado, retenção de líquido e enxaqueca. As mulheres relatam que antes da menstruação (TPM) estes sintomas pioram . Muitos se habituam ao problema como se fosse normal e aprendem a conviver com essa situação, muitas vezes abusando dos laxantes.

Há dois tipos de prisão de ventre: a atônica, quando os músculos do cólon estão fracos, e a espasmódica, caracterizada por movimentos irregulares do intestino. A prisão de ventre atônica, a mais comum das duas, se desenvolve quando a dieta é pobre em líquidos e fibras. O sedentarismo é outra causa comum. A prisão de ventre espasmódica pode ser causada por estresse, problemas neurológicos, fumo, alimentos que causam irritação da mucosa e obstrução do cólon.

O excesso de gases pode acontecer por vários motivos que vão desde: alimentação, ansiedade, cândida intestinal, desequilíbrio da flora intestinal, etc. Além de formar gases, o desequilíbrio da flora intestinal, também chamado de Disbiose, pode levar à fadiga crônica. Devido ao consumo de doces (açúcar refinado), carboidrato refinado (farinha de trigo), carne vermelha e frituras (gordura saturada) e o uso de medicamentos (antibióticos, etc .), o meio intestinal torna-se inadequado para a presença dos lactobacilus, que são bactérias fundamentais para o equilíbrio da nossa flora intestinal.

Os últimos estudos, principalmente do Dr. Michel Gershon, que estudou durante 30 anos os intestinos e os chama de nosso segundo cérebro, mostram que o intestino produz vários neurotransmissores, enzimas e hormônios, entre eles a SEROTONINA, que pode-se dizer está relacionado à alegria de viver. Também no intestino encontram-se 80% do nosso potencial imunológico.

Hoje, sabe-se que os laxantes causam vários problemas ao funcionamento intestinal, chegando a piorar a prisão de ventre com o seu uso crônico. Alguns dos riscos dos laxantes são:

- Promovem a perda de vitaminas, nutrientes e sais minerais esfoliando-os antes que sejam devidamente absorvidos pelos intestinos;
- Podem interferir nos resultados de alguns medicamentos, quando administrado junto a estes;
- O seu uso crônico pode causar dependência, levando a síndrome do intestino preguiçoso, pois o paciente precisará de uma dose maior para atingir o mesmo resultado anterior, como também piorar a constipação ao suspender o mesmo.
- Contribui para o desequilíbrio da flora intestinal.
Como podemos comprovar, o intestino é um órgão extremamente importante e muito descuidado pela população em geral. Por isso ao aparecer algum dos sintomas mencionados, deve-se procurar auxilio médico e não se automedicar.

Nestes casos é muito importante realizar uma desintoxicação com limpeza intestinal, uma reeducação alimentar com uma dieta antioxidante e exercícios físicos. A Colonterapia é uma boa maneira de realizar este processo.

A COLONTERAPIA é um processo de limpeza intestinal que desintoxica através da remoção das fezes retidas no intestino grosso, acompanhado de uma dieta alimentar, uso de fototerápicos, e reposição da flora intestinal com lactobacilos. Tudo isto com o objetivo de recriar o hábito intestinal, mantendo o seu funcionamento regularizado.
Muitos pacientes relatam que ao realizarem esta desintoxicação, além de melhorar a freqüência das evacuações e a disposição, faz diminuir a vontade de ingerir determinados alimentos (como doces, massas,etc), facilitando o processo de reeducação alimentar, melhorando a qualidade de vida, vitalidade e felicidade.

Data Título
13/05/2010 Porque desintoxicar?
18/05/2009 Desintoxicação com dieta alcalinizante e limpeza intestinal
18/05/2009 Desintoxique-se por inteiro e atinja o seu bem-estar
16/09/2008 Abdômen estufado e suas causas
22/04/2007 Desintoxicação após a Páscoa
03/11/2006 11 dicas para uma digestão tranqüila
07/08/2006 Candidíase - um fungo oportunista
19/06/2006 Como diminuir a prisão de ventre em viagens
27/04/2006 Por que as mulheres têm mais prisão de ventre?
16/03/2005 A relação entre prisão de ventre e a saúde
20/12/2004 Como manter a forma depois das festas
01/11/2004 Mantenha a pele saudável com o intestino limpo
 


Domingo  21.01.18
esqueci a senha
cadastre-se
associe-se
 


Termo de compromisso    |    Política de privacidade    |    Parcerias    |    Publicidade
Seja um colaborador

Copyright © 2002 Libardi Comunicação. Todos os direitos reservados.